Manter o Nowloaded online gera custos, esses custos são pagos com doações e publicidade. Então, desative seu AdBlock no Nowloaded ou nos ajude doando!

Welcome to Nowloaded.org

Registre-se agora para ter acesso a todos os nossos recursos. Uma vez registrado e conectado, você poderá contribuir para o Nowloaded enviando seu próprio conteúdo ou respondendo ao conteúdo existente. Você poderá personalizar seu perfil, receber pontos de reputação como recompensa por enviar conteúdo, além de se comunicar com outros membros por meio de sua própria caixa de entrada privada e muito mais! Esta mensagem será removida assim que você tiver feito o login.

Entre para seguir isso  
Marco-01

NOTÍCIA
Street Fighter: 30 anos do nascimento de um gênero

Street Fighter: 30 anos do nascimento de um gênero

SF-II-1440x500.jpg

Street Fighter é a franquia mais importante dentro desse mundinho que tanto amamos dos jogos de luta. Ela é a responsável pela criação de um gênero inteiro de pancadarias virtuais, dos desvios de verbas de traslado e alimentação, e principalmente, das discussões sobre o fato de Smash Bros. ser ou não um jogo de luta.

Chegar aos 30 anos completamente em forma é algo que poucos jogos conseguem. Mesmo se considerarmos o hiato de quase 10 anos sem um Street Fighter inédito, ninguém ficou na geladeira. O aproveitamento dos personagens de Street Fighter em crossovers entre empresas, ou misturado com outras séries da própria Capcom foi de 100%, isso sem contar todos os relançamentos requentados de edições de aniversário com coletâneas das séries já consolidadas.

Dentro do gênero, gosto de pensar em Street Fighter como uma espécie de Novo Testamento dos jogos de luta. Combates entre homens no formato um contra um podem ter dado as caras bem antes do jogo da Capcom – daí o Velho Testamento, mas o Messias que desencadeou a revolução, a chamada “Golden Age” das lutas, estabelecendo um monte de regras específicas do estilo foi Street Fighter. Ou melhor, Street Fighter II.

street-fighter-II

Não tenha dúvidas: Street Fighter II é o jogo que você conhece. Retsu quem? Geki aonde? Lee? Os personagens de Street Fighter, salvo algumas exceções, nunca conseguiram cair no gosto da galera. Mas por quê? Simples, porque jogávamos apenas com Ryu e Ken – e esse último, só quando alguém entrava contra.

Com oito lutadores à sua disposição, a maioria deles únicos (não estou falando de você, Ken), ficava bem mais difícil aprender a jogar e conhecer todos os lutadores. Não só isso, mas aprender a lutar contra todos e entender o comportamento do seu adversário também era essencial. O “meta” surgia.

Tecnicamente o jogo era impecável. Tanto que até hoje pode ser jogado de maneira séria. Acertos que na verdade eram erros (como a história de que os combos do jogo eram um acidente de desenvolvimento), personagens estilizados e super criativos – mesmo que nós brasileiros tenhamos sido vistos como monstros verdes para eles – e a trilha sonora imortal de Yoko Shimomura que reconhecemos de imediato até hoje. Arrecadou rios de dinheiro nos fliperamas de bairro.

Crossover

Dali em diante, a Capcom agarrou o osso. Levou os lutadores de rua para os confins do universo, colocou-os em crossovers inusitados, contou histórias do passado e também do futuro, expandiu a família. E nem comecei a falar sobre quadrinhos, televisão e cinema.

Aquele tal de lore

Um dos maiores problemas na hora de adaptar a história de Street Fighter para fora dos games é acertar a sua narrativa. E a única obra que conseguiu fazer isso foi longa-metragem inspirado no game de 1994.

Street Fighter II: The Animation conseguiu captar a essência do jogo simplesmente pelo fato de não querer que todos os personagens fossem principais de alguma forma. E também não fizeram todos terem algum tipo de relação mais profunda como a série Victory, ou mesmo colocar todo mundo como amiguinho lutando contra o mal, do jeito que Street Fighter V fez.

SFMOVIE

Some isso a uma coreografia de combate elaborada por dois artistas marciais do mais alto calibre – Kazuyoshi Ishii,  fundador e mestre do Seidokaikan Karate (um derivado do Kyokushin), além de ser o criador do K-1, uma organização privada de lutas marciais, e Andy Hug, um dos maiores e mais importantes karatekas que já pisaram num ringue.

O roteiro de Kenichi Imai era simples, mas extremamente funcional. Ao mesmo tempo que não inventava relações entre os personagens, desenvolveu todo um passado não contado que já existia entre os personagens Ryu e Ken, mostrando um pouco da juventude de ambos e os percalços que precisaram superar até serem os lutadores apresentados no game. O sucesso foi tanto que essa pequena mostra foi responsável pela criação de uma série própria nos videogames, Street Fighter Alpha (ou Zero, no Japão).

O estúdio responsável pelo longa ainda tentou repetir o sucesso com a série de TV (acertaram médio, vai) e também no lançamento do OVA de Street Fighter Alpha, dividido em duas partes. Desta vez com uma trama meio estranha, focada num irmão perdido de Ryu e um vilão meia boca qualquer. É bonito, sem dúvidas, mas vazio de conteúdo.

RYUFINAL

De mangás de destaque, provavelmente os que merecem a sua atenção fazem parte da série lançada no Brasil pela Editora NewPop. Street Fighter Alpha e Ryu Final (este inédito no país, infelizmente) contam de forma impecável histórias que se passam em Street Fighter Alpha e Street Fighter III, respectivamente. Trabalho excelente de Masahiko Nakahira, preciso ressaltar.

Não só de sucessos viveu a franquia Street Fighter. As tentativas de transformá-lo em filme com atores reais foi de mal a pior, literalmente. O filme com Van Damme, Raul Julia e Kylie Minogue não poderia manchar mais o currículo (até então) invejável de Street Fighter. Aí tivemos A Lenda de Chun-Li e bem, não dá para vencer sempre.

Engraçado é que vindo de um lado completamente “amador”, a série para internet Assassin’s Fist, acabou com a ilusão de que a história de Street Fighternão poderia ser contada com atores reais e até ganhou uma continuação (que não foi tão legal assim).

Presente e futuro

10_cammy_fierce_punch

Podem falar o que quiserem por aí. Comemorar 30 anos e ainda ser relevante dentro de um gênero um tanto recluso quanto os jogos de luta é um marco. Street Fighter V pode não ser o que alguns de vocês esperavam, mas continua firme e forte atraindo a atenção de muitos espectadores para si.

Os problemas o perseguem desde o seu lançamento. Se por um lado ele atraiu a atenção para si com uma nova visão de esport para o gênero, por outro havia deixado o consumidor casual na mão. Aquele cara que só queria se divertir com a campanha para um jogador e desvendar a história da nova iteração do game precisou esperar meio ano até receber a tal atualização com o modo de jogo. E entendo perfeitamente a frustração desse jogador.

O formato de negócio adotado por Street Fighter V é diferente – compre o game, não pague mais por nenhuma atualização. É um novo capítulo dentro de um universo que nasceu da venda abusiva de fichas para seu uso em chefes impossíveis. Diferente do passado, hoje quem gasta com o jogo não é o dono do fliperama, mas sim o jogador. E ele não vai gastar com qualquer lançamento.

RYU

Street Fighter V tem um plano de vida para muitos anos ainda. E com trintão nas costas, não dá mais para viver só de requentamentos e edições especiais de clássicos de outrora. Com certeza eles tem um pessoal tomando nota das reclamações e bolando saídas criativas para se reerguerem do baque que foi a segunda temporada do game. Menat, a nova integrante do elenco é prova viva de que estão pensando um pouco fora da caixa (de Street Fighter).

Fica aqui meus sinceros parabéns a série, responsável pela criação do gênero que me fez cabular muita aula na escola (mas nunca repeti um ano, não recomendo isso, aliás). Espero de verdade que este ano não passe batido em termos de comemorações.

Onde tudo começou

Engraçado pensar que o criador de Street Fighter também foi responsável pela disputa de mercado entre duas das maiores empresas da época, Capcom e SNK. E não estou falando isso de forma metafórica. Takashi Nishiyama, diretor do jogo, também é o estopim da rivalidade entre as empresas que perdurou mais ou menos por 15 anos.

Street-Fighter-

Após deixar a Capcom ao lado do colega de equipe Hiroshi Matsumoto, o criador do “hadouken” foi tentar a sorte em outra desenvolvedora de arcades, a Shin Nihon Kikaku, ou SNK. E lá a dupla aplicou suas recém-adquiridas habilidades para o desenvolvimento dos jogos de luta e criou as maiores franquias da empresa. Fatal Fury, Art of Fighting, Samurai Spirits, The King of Fighters, tudo era assinado por eles. Demorou para que alcançassem algo no nível técnico de Street Fighter II (mestres abençoados Yoshiki Okamoto, Akira Nishitani e Yoko Shimomura), mas aos poucos galgaram seus passos.

Não bastasse isso, ao sair da SNK e fundar com outros ex-funcionários a DIMPS, quando que ele se imaginaria mais uma vez dentro de algum projeto envolvendo Street Fighter? E foi exatamente o que aconteceu quando sua empresa trabalhou em conjunto com a Capcom no desenvolvimento de Street Fighter IV. E veja só, outro game considerado um ponto de partida para o nicho dos jogos de luta.....

Compartilhar esta postagem


Link to post
Share on other sites

mesmo street fighter victory não sendo fiel a obra original (culpa do lixo do live action de 94) ainda sim ficou top demais, e no mesmo patamar do filme animado de street fighter 2, ja outros animes  que vieram depois achei uma bosta não gostei de nenhum.... sobre os jogos considero sfzero 3(sega saturn) e o super street fighter 2 x(3do) o melhores da franquia, e sf5 não acho um jogo ruim, o gameplay e bom, que me desagradou foi o conteúdo, e personagens novos que maioria na minha opinião são uma bosta!!!

as trilhas sonoras dessa franquias são memoráveis...  ai vai alguma das minhas preferidas de cada jogo da franquia ^^

 

as versões de super street fighter 2 turbo de pc e 3do, são os que tem as melhores trilhas sonoras (claro minha opinião)

essa versão da musica do ken e top demais, e fica melhor ainda a partir de 1:00 :extasiado:

 

Editado por master geese

Compartilhar esta postagem


Link to post
Share on other sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

Entre para seguir isso  

  • Conteúdo Similar

    • Por BadAss
      Porto Alegre lança primeira campanha ateísta do Brasil
      Porto Alegre se tornou nesta terça-feira (5) a primeira capital brasileira a exibir outdoors de uma campanha de mídia sobre ateísmo. A iniciativa é da Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos e já havia sido recusada no final do ano passado pelas companhias de ônibus de São Paulo, Salvador, Florianópolis e Porto Alegre.
      A Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos (Atea) havia anunciado em 13 de dezembro do ano passado que alguns ônibus de Porto Alegre ostentariam mensagens ateias, porém, segundo Daniel Sottomaior, a Associação dos Transportadores de Passageiros de Porto Alegre (ATP) teria desistido da campanha na última hora.
      “Fiquei sabendo pela imprensa que a ATP vetara a veiculação dos anúncios. Quando contatei com a Associação, ela primeiro confirmou o veto e depois passou a dizer qua nada ocorrera e que desconhecia o assunto”, afirmou Sottomaior.
      As peças são polêmicas e falam sobre fé, moralidade e ateísmo. Uma delas exibe as fotos de Charles Chaplin, que era ateu, e Adolf Hitler, que não era ateu, com os dizeres “religião não define caráter”.
      Outra afirma “Somos todos ateus com os deuses dos outros”, e traz imagens de uma divindade hindu, uma divindade egípcia e de Jesus de Nazaré, com as legendas “mito hidu”, “mito egípcio” e “mito palestino”. Uma terceira diz que “A fé não dá respostas, só impede perguntas”.
      Os cartazes devem ser exibidos ao longo de um mês. Entre os dias 4 e 17 de julho estarão expostos dois outdoors. Os outdoors da segunda quinzena serão outros.
      Conforme pesquisa realizada pela Fundação Perseu Abramo, os ateus são as pessoas mais detestadas no país, merecendo repulsa, ódio ou antipatia de 42% da população. Para o presidente da entidade, Daniel Sottomaior, o propósito da campanha é aproximar o ateísmo do dia-a-dia da sociedade e assim ajudar a diminuir o preconceito que existe contra ateus.
      Em junho, a entidade ganhou uma liminar que lhe concedia direito de resposta na TV Bandeirantes para responder a comentários considerados ofensivos do jornalista José Luiz Datena, no extinto programa Brasil Urgente. A liminar foi cassada — mas o julgamento do mérito continua pendente. Datena e a Bandeirantes foram processados por diversos ateus no país devido a esse episódio.
      Na ocasião, Datena disse que só quem não acredita em Deus é capaz de cometer crimes. Para ele, ateus são “pessoas do mal”, “bandidos”, “estupradores”, “assassinos” e atribuiu a culpa da violência e da corrupção no país aos ateus.


      Fonte Sul21
    • Por Marco-01
      Pessoas viciadas em Internet consideram ficar offline tão difícil quanto parar de fumar
      fonte: G 1


      A maioria das pessoas se sentem tristes e solitárias quando são privadas ao acesso à Internet, segundo uma pesquisa de consumo. O estudo revelou que 53% dos entrevistados se sentem incomodados quando têm acesso à rede negado e 40% se sentem solitários se eles são incapazes de ficar online.




      A pesquisa descobriu que as pessoas experimentam essas sensações, mesmo que ficando offline por um curto período de tempo. A empresa de pesquisa de consumo Intersperience realizou esse estudo em mais de mil pessoas. Nele foi perguntado sobre as atitudes para o uso da Internet em casa, smartphones e outros dispositivos, e foram ainda convidados a ficarem 24 horas sem acesso à Internet.

      Desistir de toda a tecnologia que permite acesso à web foi descrita por alguns participantes semelhante a desistir de beber ou fumar. Uma pessoa pesquisada ​​ainda disse que ser privada de Internet foi "como ter a mão cortada".

      Paul Hudson, diretor executivo da Intersperience, disse ao Daily Telegraph que "a tecnologia online e digital está cada vez mais difundida, influenciando nossas amizades, a forma como comunicamos, a nossa vida familiar e profissional, nossos hábitos de compra e nossas relações com organizações"......


      ................ :neo:
    • Por adlante
      Humanos dominaram Neanderthais, diz pesquisa
      fonte: infonline



      Teriam os Neanderthais sido simplesmente excluídos pelos ancestrais dos humanos modernos?

      Essa é a teoria de uma dupla de cientistas britânicos que dizem que os primeiros humanos superaram em 10 para 1 o número de Neanderthais em uma região do sudeste da França.

      Pesquisadores há muito debatem as circunstâncias nas quais o homem moderno substituiu o Neanderthal na Europa há cerca de 40 mil anos. Expoentes da área, no entanto, questionam essa nova pesquisa e dizem que a idéia de uma população maior prevalecendo não é nova.

      Outras teorias focavam em mudanças climáticas, diferenças na habilidade de raciocinar do Neanderthal e algumas outras possibilidades.

      No trabalho publicado na Science, Paul Mellars e Jennifer C. French da Universidade de Cambridge, Inglaterra, dizem que “a supremacia numérica por si só pode ter sido um fator decisivo” na dominância humana.

      Eles conduziram uma análise estatística de achados arqueológicos na região francesa de Perigord e concluíram que ferramentas de pedra e restos de animais comidos mostrando evidências de humanos modernos indicam uma população muito maior do que a de Neanderthais. Isso, segundo eles, se sobreporia à habilidade dos Neanderthais to competir por comida e outros suprimentos.

      O paleontologista Erik Trinkaus, da Universidade de Washington em St. Louis, comentou que ele, há dois anos, ele já havia falado que as evidências de que humanos primitivos usavam mais recursos e realizavam mais trabalhos provavelmente indicavam uma população humana maior.

      Além disso, Trinkaus desafiou os dados do novo trabalho, dizendo que a ideia de usar o número de locais de concentração humana e seu tamanho, quantidade de ferramentas, e outras evidências “juntadas durante muito tempo para estimar o tamanho relativo da população é algo há muito refutado por arqueólogos”.

      Trinkaus disse que o número de locais com restos humanos possui pouco, se não nada, a ver com o número de pessoas que estavam ao redor. “Por exemplo, um grupo bastante móvel de caçadores deixará poucos, se é que algum, vestígio de sua passagem – muito menos do que um grupo que ficou anos parado, acumulando lixo em um local, disse.

      Muitos outros especialistas concordaram que a conclusão do trabalho não era nova. Christopher Ramsey, da Escola de Arqueologia da Universidade de Oxford, disse que ele fornecia “mais evidências quantitativas do que muitos já achavam ser verdade- que humanos modernos simplesmente substituíram os Neanderthais ao ganhar uma maior densidade populacional”.

      Joao Zilhao, pesquisador da Universidade de Barcelona, argumentou que os métodos usados para estimar a população eram ultrapassados. Ele disse que humanos modernos não simplesmente substituíram os Neanderthais, pois “evidências genéticas e paleontológicas mostram claramente que houve uma assimilação – não substituição”.

      +++
      ciências separando especies?
      esqueceram a teoria da evolução!
    • Por Marco-01
      Veja 10 erros científicos comuns cometidos pelo cinema
      fonte: G 1


      Quando o ônibus espacial Atlantis pousar nos Estados Unidos instantes antes do amanhecer desta quinta-feira (21), uma era de 50 anos de missões tripuladas da Nasa chegará ao seu fim. Nesse meio século, os cientistas aprenderam muito sobre o espaço. Mas nem todo esse conhecimento chegou ao público. Com a ajuda do astrofísico Cássio Leandro Barbosa, autor do blog Observatório, o NL( :kkk:) montou uma lista dos erros mais comuns cometidos pelos filmes e seriados de ficção científica:



      .................... :neo:
    • Por Bigrai



      Cientistas do Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (CERN) anunciaram que as buscas pelo Bóson de Higgs, ou Partícula de Deus, foram estreitadas.
      Leia Mais
      Dois experimentos diferentes do LHC, o grande colisor de partículas controlado pelo CERN, excluíram com 95% de certeza a existência do Bóson nas regiões de massa de 145 a 466 GeV.
      Os resultados obtidos pelo Alice e CMC foram apresentados durante a conferência Lepton-Photon em Mumbai, Índia. Os dados significam que os físicos diminuíram significativamente as regiões em que podem encontrar a partícula – o que pode ser uma boa ou má notícia.
      Buraco no Modelo
      O bóson de Higgs, também chamado de Partícula de Deus, é a única partícula ainda não observada do Modelo Padrão, a teoria que explica o funcionamento geral do Universo. Ele foi proposto há mais de 40 anos para explicar a origem das massas das partículas. Os cientistas sugeriram que todas as partículas existentes não possuíam massa logo após o Big Bang. Conforme o Universo esfriou, um campo de força invisível, o “campo de Higgs”, se formou com seus respectivos bósons.
      O campo permanece no cosmos e qualquer partícula que interaja com ele recebe uma massa. Quanto mais interagem, mais pesadas se tornam, enquanto aquelas partículas que não interagem permanecem sem massa. Apesar de explicar e se encaixar bem nas teorias vigentes do Universo, esta proposição tem um problema: ninguém nunca conseguiu observar os bósons de Higgs para confirmá-la.
      A dificuldade é que não se sabe a massa do bóson de Higgs, o que o torna ainda mais difícil de identificar. Atualmente, os físicos buscam por ele vasculhando sistematicamente uma gama de massas dentro da qual ele deveria existir. As faixas ainda não exploradas podem ser analisadas por meio de grandes aceleradores de partículas, como o LHC, o Colisor de Hádrons do CERN.
      Na verdade, achar o bóson de Higgs é o maior objetivo do LHC – e a exclusão de mais uma grande faixa de massa pode ter duas interpretações: a “do copo meio cheio”, ou “meio vazio”.
      Para os otimistas, significa que as buscas foram estreitadas, e que há menos locais em que o Bóson pode se “esconder”. Cedo ou tarde, acabará sendo detectado. Já para os pessimistas, quanto menor a área de buscas, maiores as chances de a partícula, de fato, não existir.
      Esta segunda hipótese implicaria em grandes consequências para a física moderna: seria preciso voltar à prancheta e repensar o Modelo Padrão.
      Fonte
      --------------------------------------
      Já passou 30 de março de 2010... de 2011... e nada... nadica de nada.
      Pra quem não entendeu o comentário, só ler o tópico http://nowloaded.org/forum/index.php?showtopic=141240
      OBS: Tópico 100% de cunho científico